sexta-feira, 13 de março de 2009

O Concerto de seres


Álacres sons que dançavam em meus ouvidos
Um grande tropel a absorver tuas notas
Era antíofas ou salmos que eram proferidos
Fatos quiméricos sobre almas mortas
Tu que me corrompia com teus inefáveis sons
Soava-me a ária que agora me apaixono
Eram seus tantálicos e cabalísticos dons
Que na corda vibrante tornava-se, meu dono.
Guardo em mim teu acre eflúvio
E minha boca mádida do último beijo roubado
Espero ansiosava por músicas de um dilúvio
Na pequena rua feita de meninos do um novo Savo
Minha alma diáfana espera por ti, ansiante
Nessas melodias lamuriantes de amores
Em que cada vez me faço-me amante
Harmonias de Cor, Perfume e Sabores.
Nayara K.

4 comentários:

Alma Nua disse...

...olá doce menina de alma
poética e encantadora!

gostoso navegar por aqui
neste teu canto de amor
onde as palavras fluem
dando forma aos sentires.

obrigada pelo carinho
da visita lá em casa.

bj

Ademerson Novais disse...

Leio e leio e entre as palavras ora incognitas, como uma ostra que ao poucos vai se abrindo e nos vai mrevelando a perola que esconde, ora cheias de emoçoes e verdades, um turbilhão que nos enche... assim me senti ao ler tuas palavras, ao me unir aos teus textos, me fundi sem perceber...e sem perceber a gente vai percorrendo os olhos, nos inudando
de tua beleza tranportada de um jeito unico...seu para atela...

Parabens poeta...vc nos faz ver que coisas verdadeiras pode ser escondidas, ocultas de varias formas a questão é saber procura-las...


Ademerson Novais de Andrade

Mateus Araujo disse...

Viu amor!
nao sou apenas eu que vejo que suas palavras são as mais doces e verdadeiras do mundo
*_*


TEAMO!

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Poema doce, melodia no ar...
também com este nome Lady Byron, tinha que ser lindo aqui.