domingo, 14 de junho de 2009

Marcas


Marcas que deixaste em mim,
Profundamente dilacerada, carne perfurada
Teus delírios, teus carinhos
me arrepiam a pele e mastiga o meu peito.

O tempo não será capaz de apagar
as marcas que por ti fiz questão de deixar
Finalmente, você, aparece ilícito
Tatuagem do amor que por nós foi corrompido.

Amantes perfeitos ao eco da noite
Costumávamos nos deitas, e pensar em coisas tolas
No gramado de nossa casa, jazia o gozo dos prazeres
Foi por ti, amado, que tatuei o amor que nos apossou.

Marcas de sangue que mancharam os lençóis,
Talvez a Morte, talvez
Fosse capaz de apagar as marcas
Mas no meu corpo elas continuariam intactas.

Por você, por mais ninguém
Essas marcas...

- Nayara K.
(Lady Byron)

4 comentários:

Daniel Braga disse...

Ui.. final forte... adorei. A foto tá muito legal. Tô sentindo sua falta lá no meu blog.. haha.

~Até a próxima. Beijos.

*DB*

Mateus Araujo disse...

forte a poesia toda.
Predadora.
beijos amor

O Profeta disse...

Um areal morno acolheu
Teus passos ávidos da chegada
Caminhas na procura das marcas
De uma espera desencontrada

Calmaria!
A bonança reivindicou o Sol no celeste
Uniram-se os pedaços de rasgada vela
Tua alma retomou o sonho adiante


Boa semana


Mágico beijo

A.S. disse...

Lady...

Belo Poema!
Palavras exactas, e poeticamente deliciosas!


Beijos...