quarta-feira, 24 de junho de 2009

O Assassino

O menino de pele alva me chama pelo nome,
Correndo, cabelos ralos e voz suave
Me chama, me quer, me almeja
A boca vermelha, o frio o queima.
Mas, continua, correndo em minha direção.
Óh, pudera eu, não o ter estendido a mão.

Encantei-me pelo seu jeito,
Andar e correr sobre o chão feito de nuvem.
Um pobre menino de expressão vazia
De olhos de cera, que miravam-me com admiração.

Sendo mais uma vítima de teus encantos,
Óh, menino insolente, diga-me o que há contigo
Diga-me, que te curarei as mágoas que não se afogam
Que as feridas e dores de dissiparão.
Mas não diz, és calado, o menino
Doce menino, amante assassino.

Seu corpo vem a enfeitiçar-me,
Estou corrompida, inebriada pelo ar que respira
Sim, sinto arder os pulmões e as vísceras,
És tu, menino assassino.

Abraça-me e corta-me o pescoço,
Como um vampiro nato entrega-se a esse gozo
O sangue que escorre, tu lambes
E glorifica-te pela morte e dor que está causando.
Óh, dor latejante e aguda
Não a causada pela tua lâmina, menino
Mas a dor por ti ter ferido a quem algum dia te apreciou.

E o escarlate sangue que baila no chão
Banha o piso frio o pálido
Minha pele sem vida, gélida
Ainda sente arrepios causado pelos teus toques.

Mas, tua única paixão é Morte,
A negra mãe que te beija os lábios
Ainda te quero, menino
Soterrada e presa num cárcere de mármore
Te quero com meu sangue entre os dedos
E venha, por favor, venha correndo...

Nayara K.
(Lady Byron)

3 comentários:

Mateus Araujo disse...

Assassinato constante das palavras é o que rege tua escrita, Rosa na qual meus ciclos se completam sem obstáculos...
Se é preciso morrer dentro das frases e nas entrelinhas , que seja! Pois nada me eleva ao céus mais do que sua presença em minha vida! És minha assassina, não de maus planos, mas sim assassina dos tempos ruins, dos caules murchos, do galho seco, das horas vagas, dos silencios que dizem coisas que não deveriam, minha eterna assassina...
Eu te amo!!!
agora vai
VAI E ME MATA,
mais uma vez ao menos
às suas foices afiadas sempre estarei pronto para morrer!

Pedro Antônio disse...

Ei, Lady!

É um prazer enorme receber a sua visita! E eu senti a sua falta, pode acreditar!

Gostei tanto das suas palavras porque eu também acho que, para nós que somos passarinhos, o melhor é deixar as pessoas que nos machucam sossegadas, bem perto do chão, já que elas não podem voar.

Ah, adoro seus textos. Muito bons! :)

Beijãoooo.

Pedro Antônio - A TORRE MÁGICA

Jessy Beraldo disse...

pude ate sentir uma faca dilacerando-me o pescoço...♥
adorei, é provocante, misterioso, apaixonante e fatal!!!
^^
e obrigada por ter visto o meu blog =D