sexta-feira, 10 de abril de 2009

Rimas de vida


Vida de lama e vida de pedra,
Folhas que caem, frio que me cerca
Ao desvencilhar-me do grito de dor
Não consigo encontrar o que chamam de Amor
Talvez a morte [e sim, talvez a melhor saída]
Mostrar-me-ia aonde está a alegria
Versos em prosa, em rima do mundo
O que Drummond dizia na apologia a Raimundo
Forjados em berços de ouro se fez
O riso insolente dos inocentes outra vez
Não é isso que desejo, mais do que creio
Não é isso que quero mais do que anseio
É, o sangue [e talvez a melhor bebida]
Fossem companhia minha esta noite caída
E a lâmina que perfura os pulsos latejantes
Dilaceram a carne das veias pulsantes
Ah, esse vasto mundo sem nome
Traga-me o ócio de viver sem fome
Fome de vida, de liberdade
Coisas que não ultrapassam, [ou sim] a saudade.
Deixe-me sentar e repousar sobre um mármore
Deixe-me ir com meu ópio, á lugares que me acalme
Ainda que fosse do tempo a poetiza mais bela
Teria versos em que desabafaria as almas repousadas na janela
E depois, dormiria como o céu
E não pousaria sobre minha cabeça, nenhum véu
Que me faria pior do que estou
A quem uma dia mais amou.
Nayara K.

14 comentários:

Daniel Braga disse...

Amor.. lindo tema, lindo desenvolvimento. Parabéns.

Até a próxima, dá uma passada lá no meu blog.

*DB*

Pedro Antônio disse...

Ei, Lady!

Lindo texto!
Obrigado pelo carinho! Uma Feliz Páscoa!

Beijãooo. Te espero por lá!

Pedro Antônio

Vivian disse...

...olá linda poetisa!

vim desejar-lhe uma feliz páscoa
tão doce quanto seu lindo coração.

beijos

Ademerson Novais disse...

Antes de mais nada feliz pascoa....bem no que se fala em textos..vc é como vou iventar para vc agora..um navio navegando em aguas de tormenta....não falo de tempestades....de mares agitados..(mesmo isso estando tão evidentes em nós mesmos)..mais falo de seu rumo de levar seus textos em uma profundidade que nunca vi....vc cola..vc retalha..vc enterra...e desenterra...tudo...e ainda por cima escreve..rsrsrsrsrsrs....parabens menina..parabens mesmo...

bem te espero lá no meu blog...

Ademerson Novais de Andrade

Cadinho RoCo disse...

Em momento assim vasculho o cinza que banha meus olhos na intenção de confundi-los mais do que a mim confundem.
Cadinho RoCo

A.S. disse...

Querida Lady,

Sentes-te perdida no desespero
dos labirintos, na solidão da sede,
na sombra que te oculta os sonhos!
Mas, haverá um corpo ardente que te espera, entre as sonâmbulas figuras do teu desejo errante...
Um nupcial encontro, vai libertar-te desses círculos internais!!!


Doces beijos...

Raimundo França disse...

Se eu pudesse mudar meu alimento eu só me alimentaria de poesia,quão doce é expressar os nossos sentimentos mais profundo., Parabéns continue assim...
Se poder veja também o meu: Rimas da vida. Raimundo França. Amazonense.

Anônimo disse...

Se eu pudesse mudar meu alimento eu só me alimentaria de poesia,quão doce é expressar os nossos sentimentos mais profundo., Parabéns continue assim...
Se poder veja também o meu: Rimas da vida. Raimundo França. Amazonense.

Raimundo França disse...

Se eu pudesse mudar meu alimento eu só me alimentaria de poesia,quão doce é expressar os nossos sentimentos mais profundo., Parabéns continue assim...
Se poder veja também o meu: Rimas da vida. Raimundo França. Amazonense.

Raimundo França disse...

A poesia é o alimento da alma,a musica o coração,quem não gosta de poesia é um doente não tem sentimento, nem tão pouco emoção.

Raimundo França disse...

Assim como "Rimas de vida" e "Rimas da vida" Somos almas que em rimas damos o relatório de nossas almas que em delirios, somos apenas seres que sofrem as injustiças deste mundo, cheio de águas turbulentas, mares em fúrias,e rios que desaguam em lugar nenhum,mas sou feliz em compartilhar nossas dores e amores vadios e incompreendidos! Raimundo França.

Raimundo França disse...

blogspot.com rimas da vida compartilha seus sentimentos poétcos e com o mesmo desejo de que alcanse seus objetivos de um(a)grande poéta ou uma poetiza! Raimundo França.

Raimundo França disse...

Amor a 300 por hora!

Numa viagem louca e alucinante,
A minha frente uma estrada que não tem fim,
Numa velocidade sem limites eu me arrisco,
No pensamento, o que levou o nosso amor um fim.
O tempo se alonga parece não passar,
Sem saber aonde ir e onde vou parar,
Nessa estrada sem curvas, só um deserto,
Do meu mundo triste tentando não lembrar,
O céu é tão azul como o brilho dos seus olhos,
A velocidade faz o vento forte em meu rosto,
E a lembrar dos nossos momentos felizes,
Em que minhas mãos tocava teu corpo.
Sensivelmente um lagrima insiste em cair,
Como uma brasa no peito a queimar,
E mais veloz me deixo ir num conflito,
Com o meu coração que insiste em lembrar.
Tento diminuir a velocidade que me põe em perigo,
Tento esquecer esse amor que me consome,
Um amor feito de sonho versos e poesia,
Um amor que por traição manchou meu nome.
Sem perceber minha estrada chegou ao fim,
E numa encruzilhada a qual estrada devo seguir,
Se eu volto ao começo e a me perguntar,
Voltar pra você ou outro amor procurar.
Toda uma vida tem por sena o seu papel,
Seja ela a mercê da sorte ou de um sonho perdido,
Pra viver a tempo de não se deleitar de um amor,
Que me deixou na velocidade e o meu peito vazio ,
A fugir de tudo e do meu próprio mundo louco,
Na alma um desengano e um coração ferido,
Traduzindo a minha dor numa grande saudade,
Desse amor que foi o meu sonho mais preferido.
Raimundo França,/02/04/12
( Uma homenagem a todos os Românticos do Mundo

Raimundo França disse...

Como eu te procurei! 09

Nessa incessante procura não te encontrei,
Não te conheço, mas como eu te procurei
Como as aves em migração, eu te procurei
Como ratos, desci aos bueiros, perdido, sem direção
Como rei, te busquei na corte, aonde tu fostes?
Como um suicida, busquei a morte, sem sorte
Como anjo, te busquei nas alturas, que loucura,
Como o morto, a sepultura, não te conheço
Mais eu procurei e não te encontrei!
Como o cão caça o gato, a formiga o melado,
Como num sonho lindo, não quis me acordar
Eu te procurei ao sol do meio-dia e tudo faria;
Pra te encontrar. Numa guerra eu quis te salvar.
Como a sede que não pude matar e dessa me saciar.
Eu te procurei tanto e não te encontrei!..
Como o jogador em busca da sorte, que sorte?
Como um soldado sem medo da morte,
Eu te procurei e não te encontrei!
Como um ébrio em busca da bebida,
como um náufrago o salva vidas, eu te procurei,
Como eu te procurei, e não te encontrei!
Te procurei em todos os lugares,
Nos arranha-céus, em todos os lares,
Rios, montanhas nos rios e nos mares,
Nos vales, nos buracos, nas subidas e nas descidas,
Eu tanto te procurei, e não te encontrei.
E como eu queria te encontrar!
Nem com tantos os meus milhões,
É impossível te encontrar.
Você, você que é a rasão de todos os viventes!!!
A busca de todos os mortais.
Oh FELICIDADE como eu te Procurei,
Eu não consegui te encontrar.
Raimundo França.

Assim como divulgo o meu também incentivo outros, pois a poesia é o alimento dálma.